Home   /   Novos Discos  /   Delamotta lançam disco de estreia
Delamotta lançam disco de estreia
A recente editora independente Malafamado Records, sediada em Setúbal, anuncia o lançamento do primeiro trabalho dos DELAMOTTA; “La Ronda“, já disponível nas plataformas digitais. 
DELAMOTTA - La Ronda

DELAMOTTA

 

“La Ronda” é o nome do álbum que inicia o caminho dos DELAMOTTA, banda composta pelos irmãos João e Gonçalo Mota, Bernardo Pereira e Renato Sousa, elementos transversais a bandas como Ash is a Robot, Ella Palmer ou Um Corpo Estranho.

A produção esteve a cargo de Sérgio Mendes e conta com a participação de Zé Miguel Zambujo, Carolina Barreiro e Cátia Mazari Oliveira. O disco, apresenta uma sonoridade fortemente inspirada na World Music, no Jazz e no Tropicalismo. A escrita passeia-se entre a língua Portuguesa e Inglesa ao longo dos dez temas que compõem o trabalho.

DELAMOTTA é o criptónimo pelo qual os irmãos Gonçalo Mota, baterista e percussionista, e o cantor e letrista João Mota têm vindo a compor, desde 2015, canções que celebram universos tão díspares como a mitologia popular e a viagem como exercício filosófico, físico e poético.

Bernardo Pereira e Renato Sousa juntam-se mais tarde, vindo do caminho natural da amizade e de muitas horas de estrada partilhadas, onde a música, desdobrada nas suas várias geografias, serviu sempre de bússola.



“Dona Iara” é o single de avanço do álbum “La Ronda”. O videoclip foi realizado por Pedro Estevão Semedo, a edição offline ficou a cargo de Pedro Estevão Semedo, a edição online & grading por Mário Guilherme,  conceito e cenografia por João Mota e produção por Garagem.

Da figuração fazem parte: Sónia Margarido, Raquel Moreira, Telma Pereira, Mário Guilherme, Inês Miranda, Carla de Brito, Joana Bento.

[LETRA] Dona Iara – Delamotta

Concha de jogar, pedra no pano, sina que leu.
Ecos no céu, assim caiu,
Abriu a mão, fez o destino um pequenino rasgo que abriu
No coração e a dor saiu.

Noite que encostou, fez na partida a lua chegar,
Teimou que o mundo é circular,
Foi condenada a regressar, sempre a partir como a maré
Que sobe na praia.

Filha de chuva não molha a roupa em vão
Tem o mar para seduzir
Sereia, matrona de peixes, não dança na fogueira
Revolve a espuma solta, mestiça curandeira
E volta na onda a seguir.

Related Article