Home   /   Novos Singles  /   Phoenix Rdc & Regula – Quando me chamam [LETRA]
Phoenix Rdc & Regula – Quando me chamam [LETRA]

Phoenix Rdc aliou-se a Regula e lançou o novo single “Quando me chamam”. O tema, lançado há poucos dias, é atualmente número 2 das tendências de música, no Youtube.

Phoenix Rdc & Regula – Quando me chamam [LETRA]

Se querem saber como é que estou de cash, falem com a minha gestora.
Estou a viver do meu sucesso, já larguei a vassoura há bué.
Muitos queriam que eu fosse preso, porra, cheguei ainda agora.
Meu mundo brilha, fui blessed, deram acesso à escória.
Hoje não comia se dependesse da escola.

Uns assobiam-me e outros estão no mini preço à nora,
juro, encarnei o Notorious BIG, e hoje dá para estar no VIP com a minha tribo a ballin’.
Eu nunca fui de aturar ursos, sempre tive os meus recursos.
Sempre armado, bruxo, com sweat e carapuço.
A minha idade é um luxo, subestimam, apanham susto.
Tenho a back da firma e na cintura fina o xuxo.
Eu vivi dureza, boy, não era justo.
Ganhei trauma da pobreza, penso nessa merda e murcho.
Só que hoje chamam-me ilustre, e não há quem me ofusque.
Vim da banda a comer funge e vou morrer a comer sushi.

A minha hora chegou, nigga, onde me chamam eu vou, nigga. Nunca fiz um blow job, foi tudo à pala do flow.

Aqui não há ‘ai se eu soubesse’, porque se eu soubesse não teria sido assim.
Sim, infelizmente, a vida é mesmo assim.
A dama do meu sócio passou-lhe a batida, si,
a dama do meu sócio passou-lhe a batida, txiii.
Around here, shit is crazy, b, I’m telling you, really, really crazy, b.
Ouvi aqui, shit is crazy, b, I’m telling you, really, really crazy, b.

Entreguei metade da minha vida à Costa,
à procura dum lugar ao sol com a barriga à mostra,
uma princesa em cada mão, mais uma amiga às costas.
Hey yo, minha Phoenix, ‘my nigga, quanto é que apostas?’,
mesmo com a vida num caos, juro, eu nunca me ri tanto.
As histórias do chavalo chegam a ser irritantes,
os maus-maus têm mais garganta do que um pelicano.

Quiseram-me dar 10 paus para matar um americano.
Eu tenho barras às baldas para quem não tiver canetas,
e os meus versos são rasgados se o Sam não fizer caretas.
‘Cospe Gula, cospe, b’, quantas escarretas estás a ver?
Estas patolas são duas marretas.

Eu sei quando é que esses otários vão parar com a paleta,
é quando um de vocês ficar a roncar na valeta.
Sim, sim, fui eu próprio que disse,
os meus cheques são tão certos como um relógio suíço.
No fundo, tu só querias ser como os players que tu cobiças,
pezinhos de lã em areias movediças. Com certa delicadeza,
o que eu disser é tudo missa numa casa portuguesa, com uma mulher submissa. Fui.

A minha hora chegou, nigga, onde me chamam eu vou, nigga. Nunca fiz um blow job, foi tudo à pala do flow.

Related Article